Reunimos várias dicas e conselhos para o seu dia de casamento!

Dicas e recomendações importantes para o ajudar a escolher o seu fotógrafo.

O que deve perguntar ao seu fotógrafo de casamento.

Fornecedores favoritos da região de Lisboa e arredores.

Entenda porque os fotógrafos de casamento precisam do tempo que solicitamos.

Dicas e recomendações sobre o que vestir e como fazer a maquilhagem para as sessões de elopement.

Uma lista das perguntas mais frequentes.

Compreender os riscos de contratar um amigo ou familiar com uma boa máquina.

As nossas máquinas, lentes e acessórios para fotografar casamentos e elopements.

Os nossos espaços favoritos para casar em Portugal.

© Diogo Oliveira Photography 2016-19   |   918 134 170   |   info@dophotography.net

  • Instagram
  • YouTube
  • Facebook
  • Blog
  • Flickr

Uma história ficcional mas baseada em factos reais

Enquanto que nomes e localizações da história são ficcionais, eles foram baseados em eventos reais e infelizes histórias de horror sobre fotografia de casamento que ouvimos em primeira mão de amigos, convidados de casamentos, contactos, clientes, entre outros.

COMEÇA SEMPRE COM A MESMA FRASE

"O meu tio Manel tem uma máquina incrível, acho que vou-lhe pagar apenas 100€ para ele fotografar o meu casamento." Embora o tio Manel possa ser muito bom, aqui ficam algumas razões para contratar um profissional.

Como previamente mencionamos no artigo "como encontro um fotógrafo de casamento", a fotografia de casamento é muito mais do que ter uma boa máquina. O tio Manel pode ter uma boa máquina, aliás, vamos imaginar que ele é um advogado e que a fotografia é a sua paixão. Por isso, não só tem uma boa máquina, como tem a melhor máquina que podia comprar, uma Canon 5D Mark IV (3.100€). Ele gosta tanto de fotografar nos seus tempos livres que comprou um set completo de lentes Canon Série L e vários acessórios (20.000€).

Com tudo isto, já estamos a assumir que o tio Manel está mais bem preparado que 99% de todos os tios Manéis que andam por aí. Agora vamos ainda assumir que o tio Manel sai para fotografar, uma ou duas vezes por mês, fotografando natureza, arquitectura urbana, e outros temas com o seu equipamento topo ed gama. E até já teve algum trabalho publicado.

O dia do casamento aproxima-se e o tio Manel sente-se confiante que vai fazer um excelente trabalho. O tio Manel começa por tirar algumas fotografias ao local e tudo parece estar em ordem. Depois entra para fotografar a preparação dos noivos. O tio Manel não gosta de fotografar em Manual, e por isso, fotografa com a ajuda da máquina. Infelizmente, a máquina possui um certo nível de inteligência.

O tio Manel começa a tirar fotografias da preparação e apercebe-se que a lente que levava não é ampla o suficiente. Por isso, vai rapidamente ao carro trocar de lente, um problema que não estava previsto. Quanto regressou, a maquilhagem da noiva já estava terminada e estavam já a tratar do cabelo. O tio Manel não perdeu tempo a verificar a iluminação antes de começar a fotografar, e também não possui nenhuma iluminação externa à máquina ou qualquer equipamento de iluminação adicional. Assim sendo, o tio Manel por ter uma boa máquina acha que pode aumentar ainda mais as configurações ISO para conseguir ter luz suficiente e assim conseguir uma fotografias exposta adequadamente. Isto funciona até um certo ponto, mas as fotografias nunca poderão ser impressas acima de 10x15cm sem ficarem com demasiado grão.

O tio Manel vai agora fotografar o noivo. Ele observa a cena e ajusta as definições da máquina com base nas próprias leituras da máquina. Infelizmente, como os fatos são muitos escuros a máquina acabou por sob-expor todas as fotografias para compensar. O tio Manel não se apercebeu, e continuou a fotografar.

Vamos imaginar que é um casamento simples e chegámos à cerimónia. O tio Manel encontra um local para ficar, troca para a lente com zoom e espera. O noivo entra e o tio Manel tira mais de 50 fotografias enquanto o noivo caminha em direcção ao altar. O único problema é que todas as fotografias estão desfocadas porque o noivo estava a caminhar na direcção do tio Manel e as configurações do foco não estavam definidas para assuntos em movimento.

O pai e a noiva começam a caminhar em direcção ao altar, e tal como anteriormente. O tio Manel tira mais de 50 fotografias. E mais uma vez, nenhuma está nítida e focada.

A cerimónia corre lindamente, o tio Manel tira várias boas fotografias. E mais uma vez o tio Manel apercebe-se que a sua lente não é ampla o suficiente, por isso, ele corre até ao saco para trocar para uma lente diferente. Quando está a regressar vê que o casal está a dar o primeiro beijo. O tio Manel não consegue fotografar o momento. Ele também se esqueceu de fotografar a família do noivo e noiva durante a cerimónia, pois não queria perder nada na cerimónia.

Depois da cerimónia é altura dos retratos mais formais. O tio Manel guia toda a gente para o seu spot favorito no exterior, onde consegue captar uma paisagem bonita. Os sujeitos estão de costas para o sol, para que ele consiga capturar a grandiosa cena. O facto das fotografias serem tiradas a meio do dia, com a luz do sol tão forte. O tio Manel não se apercebe que a máquina sobre expôs todas as fotografias devido ao fundo estar tão luminoso.

O tio Manel tira apenas algumas fotografias, uma de cada pessoa. E sem se aperceber, todas as fotografias estão demasiado escuras e completamente sob-expostas.

O copo-d'água vai começar, e o tio Manel já está a fotografar a mais de 10 horas! Ele acha que merece um descanso e aproveitar o casamento, já que ele também é família. Por isso, ele dá a sua máquina ao seu filho mais novo que também gosta de fotografar e manda-o ir tirar umas quantas fotografias.

O tio Manel está tão cansado que não lhe apetece fotografar mais o resto da noite. Quer dizer, ele está a ajudar os noivos ao poupar-lhes muito dinheiro, e sendo quase de borla ele acha que não se devem importar.

Como o tio Manel não possui os programas adequados, e nem sabe como fazer a pós-produção das fotografias. Ele grava todas as fotografias num DVD e entrega-o aos noivos. Estes estão ansiosos por ver as lindas fotografias que o tio Manel lhes tirou e sentam-se à frente da televisão para ver tudo.

100 fotografias das 2000 que o tio Manel tirou e a noiva já está em lágrimas, pois grande parte das fotografias está demasiado escura, demasiado brilhante, desfocadas, ou não são assim tão boas. Pior que isso, os noivos reparam que não possuem nenhuma fotografia do seu primeiro beijo, e que as únicas fotografias do copo-d'água foram tiradas pelo filho do tio Manel aos amigos.

Embora esta história seja ficção, cada um dos eventos e resultados derivam de situações reais que como fotógrafos de casamentos acabamos por ouvir de modo recorrente. De facto, alguns convidados dos nossos clientes contaram-nos algumas das suas experiências com o "tio Manel", e como desejavam terem contratado um profissional para o seu casamento. Mas porque é que isto acontece ao tio Manel? A questão é que, mesmo que o tio Manel tenha todo o equipamento profissional (o que é improvável), e tenha experiência a fotografar natureza e outras temáticas, ele não possui:

  1. A capacidade de ajustar rapidamente as configurações da máquina com base em diferentes tipos de iluminação. Na maioria das vezes, os fotógrafos de casamento têm de 2 a 3 segundos para ajustar as configurações rapidamente, e é quase certo acabemos por perder alguma coisa.

  2. O conhecimento da forma como a máquina lê e interpreta a luz, a fim de compensar a sob ou sobreexposição. Nestas situações, o fotógrafo de casamentos deve confiar na sua experiência e não nas leituras da máquina.

  3. A capacidade de antecipar e estar preparado para qualquer situação com uma máquina secundária com uma lente diferente. A maioria dos fotógrafos de casamento vão sempre procurar mais informações sobre o espaço do casamento e as condições de luz e fazer o planeamento antes do casamento.

  4. As mochilas devem ter sempre o equipamento e acessórios necessários e devem estar com ele permanentemente. Os fotógrafos profissionais de casamentos tem o equipamento sempre consigo ou relativamente perto e sempre disponíveis a utilizar.

  5. Conseguir captar momentos fugazes que tem apenas uma oportunidade de fotografar. O primeiro beijo durante usualmente apenas 1 a 2 segundos e nunca sabe quando vai realmente acontecer. O fotógrafo de casamento tem de ter a capacidade de olhar através da máquina, e estar pronto para o momento.

  6. Experiência e conhecimentos necessários para conseguir antecipar ângulos e abordagens para cada fotografia. Saber onde ficar e em que ângulos fotografar é algo que só com experiência é que se aprende.

  7. A energia para trabalhar sem parar durante 12 a 18 horas, sem pausas. Este é o trabalho do fotógrafo de casamento, eles não descansam e não tem pausas. Usualmente fazemos intervalos em momentos não cruciais do dia, e mesmo nesses momento estará sempre um fotógrafo pronto a fotografar enquanto o outro está em pausa.

  8. A capacidade para criar fotografias únicas em termos de luz, e conseguir complementar a luz natural com a sua própria luz adicional. Compreender a luz e como iluminar os assuntos é algo que apenas se aprende com o estudo, treino e experiência. É impossível ser um mestre da luz a não ser que já tenha tentado fotografar em todas as condições de luz possíveis.

  9. Experiência a guiar e gerir grandes grupos para as fotografias formais. É aqui que a personalidade e o tacto de cada fotógrafo é importante. Como é que eles interagem com a noiva, noivo e familiares.

  10. O conhecimento sobre técnicas avançadas de foco.

  11. A experiência em tirar fotografias extras de momentos cruciais, como as fotografias de grupo, no caso de alguém piscar os olhos, ficar com expressões estranhas, entre outros.

 

Para além de todos estes detalhes, existem mais coisas que o tio Manel necessitava antes de se tornar num fotógrafo de casamentos do principio ao fim.

Embora existam muitas áreas do seu casamento onde podem economizar para aliviar o orçamento, a fotografia de casamento não deve ser uma delas. Se desejam fotografias criativas e de qualidade profissional do dia do vosso casamento, que acabam sendo uma herança eterna a ser mostrada e transmitida às futuras gerações, vão necessitar de um fotógrafo de casamentos profissional.

Em algumas situações, o estúdio ou fotógrafo trabalham juntamente com os clientes na personalização do pacote, de forma a não esticar o vosso orçamento. Se for esse o vosso caso, prefira qualidade a ter mais produtos. Escolha ter 2 fotógrafos, em vez de apenas um e deixe a impressão do álbum, gravuras e outros para mais tarde. Compreendemos que o orçamento dos noivos não seja muito, pois estão a começar uma nova vida juntos. Por isso, sugerimos que deixe alguns produtos para uma fase mais avançada das vossas vidas. Daqui a três, quatro ou cinco anos, quando as finanças estiverem estabelecidas, aí sim devem pedir o álbum, ou aquelas telas gigantes. É preferível pagar por fotografias deslumbrantes e bonitas do que ter fotografias de baixa qualidade coladas num álbum e prontas para quando regressarem da lua-de-mel.

De forma resumida, podem sempre pedir os produtos mais tarde, mas nunca podem pedir qualidade e maior criatividade depois do evento terminar.